Natal em Nazaré

“Bate o sino pequenino. Sino de Belém Já nasceu Deus menino. Para o nosso bem”

Apesar de não ser cristã, o Natal é um dos meus feriados favoritos e não poderia passar em branco. Por isso, por que não passar o dia de Natal na cidade em que o símbolo do feriado cresceu? 26176232_1779319965434210_2133375792_n

Na verdade, minhas amigas e eu fomos até lá pensando que ele havia nascido em Nazaré, uma vez que ele é “Jesus de Nazaré”, mas nasceu em Belém. Nosso amigo Google nos contou a verdade, enquanto um israelense que sentou com a gente no trem não fazia ideia do que estava acontecendo. Ele queria estudar, mas acho que nossa empolgação não deixou. Confesso que ficamos frustradas com essa descoberta, eu devia ter lembrado da música antes.

Após um trem de Tel Aviv para Haifa e um ônibus de Haifa para Nazaré, chegamos ao nosso destino. Pensamos que a cidade estaria lotada, mas acho que as pessoas foram para Belém.

26177120_1779319968767543_1228309885_n

A população de Nazaré é composta majoritariamente por árabes, sendo eles cerca de 70% muçulmanos e 30% cristãos. Até mesmo os salgadinhos que sempre vemos com o nome em hebraico estavam em árabe.

Fomos até a Igreja da Anunciação, onde ocorreu, bem, a Anunciação. Uma das coisas que mais me chamou atenção foram as versões de Maria. Cada país enviou uma arte com a representação de Maria, e cada uma é diferente da outra. Essa Igreja é bem moderna na verdade, diferente das vistas em Minas Gerais, por exemplo, uma vez que foi construída em 1969.

É claro que também fomos atrás da árvore de Natal da cidade, que era bem grande por sinal, e ao fundo tocavam músicas natalinas (em inglês). 26197449_1779319952100878_1420913232_n

Depois de comer comidas tipicamente árabes e ter certeza que eu não nasci para comer tabule e que berinjela com tehina é a melhor coisa do mundo, nosso amigo A.M nos levou até o Monte do Precipício, local de onde Jesus pulou quando estava sendo perseguido. É uma senhora queda. A vista é incrível, e o horário que fomos deixou tudo ainda mais especial.

Finalmente voltamos para casa cheias de espírito natalino, mas não sem antes decorar biscoitos de Natal na casa de outra amiga. Missão cumprida. Ano que vem: Belém.