Pessach em Israel

Também conhecido como a “Páscoa Judaica”, o Pessach é, na minha opinião, uma das melhores festas. É a festa em que se comemora a libertação do povo judeu da escravidão no Egito.

As famílias se reúnem para o Seder de Pessach, onde lê-se a hagadá e segue-se os passos pedidos. Não vou me estender muito explicando cada ponto, mas posso adiantar que algumas comidas são obrigatórias, e consumidas em determinada ordem durante a leitura da hagadá de Pessach. E, claro, beber quatro copos de vinho é obrigação!

Você pode encontrar mais informações no site do Chabad.

Em Israel, eu passei a primeira noite com a família da minha amiga. Foi um pouco diferente de como eu estava acostumada com minha família em São Paulo, mas foi muito legal. Fiquei imensamente feliz por ter sido convidada.

A hagadá foi lida em uma velocidade nunca antes vista por mim, as músicas foram parcialmente cantadas, mas nada supera a tia da minha amiga levantando para pegar o jornal e mostrar os estilos de cabelo do Bibi (Benjamin Netanyahu, primeiro ministro de Israel) nos últimos anos. Foi bem divertido. Acabando, chegou a hora de comer.

O problema do Pessach é que a gente come, e come muito. No fim, respirar doía. Entre gefilte fish, kneidalach, casquinha de siri (com peixe e não siri) e arroz com passas, eu ganhei uns 8 quilos. Comida judaica é irresistível, ainda bem que é uma vez por ano.

Durante o Pessach não se come pão, apenas matzá (pão sem fermento). É difícil encontrar pão na cidade durante os dias da festa. Muitas lojas de hummus, por exemplo, não abrem (pelo menos perto do meu trabalho).

Cada um tem uma experiência de Pessach diferente, e eu fiquei extremamente contente com a minha. Que venha ano que vem!